Mais Netscape

A matéria sobre o Netscape aí embaixo me deu duas alegrias: Rafael Galvão disse que o texto poderia também se chamar “Pequena História da Internet no Brasil”; e recebi minha primeira menção (muito honrosa) no melhor blog do mundo (segundo o júri popular do Best of the Blogs).

O Rafael já tinha publicado no ano passado um post com uma boa sincronicidade com o que eu escrevi, referindo-se à ocasião em que foi desfeito o time de desenvolvedores do Netscape e se imaginava que a marca não seria mais usada (antes fosse verdade…)

Vou citar abaixo o comentário que ele postou aqui sobre o assunto:

“Também fui defensor do Netscape. Também deixei de usar aí pelo 4.74, porque ele tinha se tornado impraticável (só uma correção: a versão inovadora do IE foi a 4; a partir daí, ele nao acrescentou nada de realmente decente). Discordo da afirmação de que o Netscape foi asfixiado: na verdade, ele era lixo, com um código confuso, colcha de retalhos mal alinhavada pelo Marc Andreesen – tanto que o código do Mozilla foi feito do nada. E o meu primeiro post foi sobre o fim do Netscape. Voltei a usar o danado nas versões 7, que trouxeram o tabbed browsing.

Curiosamente, acho que vou dar uma olhada no [novo] Netscape, a não ser que ele venha cheio daquelas inutilidades com que a AOL piorava o Mozilla. O fato de ele permitir que se use o motor do IE não me obriga a isso. E eu ando tendo alguns problemas com o Firefox, principalmente no que diz respeito a popups. Aliás, o bloqueador de popups do IE é melhor que o do Firefox. Nada tão sério que me faça sequer sonhar em voltar aquela tragédia, ou mesmo outros tipo Opera, mas ainda assim um incômodo. Além disso, eu sou um saudosista”.

Depois, por e-mail, ele fez algumas correções:

“Depois de reler o post, eu me toquei de uma coisa: eu desisti do Netscape quando vi a versão 6, ainda beta. Eu usei o Netscape 4 desde a versão Preview Release 1 (foram 4, ao todo). Quando vi aquele beta lentíssimo, que se arrastava para iniciar, eu joguei a toalha.

E esqueci de reforçar outra coisa: a questão política. Embora eu tenha ficado meio cabreiro quando percebi que estava fazendo uma bobagem defendendo fanaticamente o Netscape. Aliás, duas: o produto da Netscape era ruim, e não havia mais política em defender um produto da AOL; era um monopólio contra outro. Lembro que o Netscape era profundamente invasivo, instalava uma porrada de porcarias da AOL. Mesmo em suas últimas versões você só podia instalar o Netscape Mail (que não valia nada, a propósito) se instalasse o AIM”.

Firefox: 10 milhões de downloads* * * * *

Quero acrescentar apenas que esse “novo” Netscape não pode ser considerado um digno sucessor da velha marca também porque, tendo seu time de desenvolvedores sido integralmente demitido no ano passado, provavelmente foi criado por uma empresa terceirizada pela AOL.

* * * * *

Uma boa notícia relacionada a isso foi o alcance, em pouco mais de um mês, da meta de 10 milhões de downloads da versão 1.0, final, do Firefox. Spread Firefox you too!

Anúncios

Sobre Marcus Pessoa

Alguém em busca de mais vida offline.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s