O fim do Olímpia

A notícia caiu como uma bomba entre os cinéfilos de Belém: o Cinema Olímpia, mais antigo cinema do Brasil ainda em atividade, deve fechar as portas no próximo dia 16.

O Grupo Severiano Ribeiro, proprietário da sala, alega que a renda das exibições não cobre os custos de manutenção. O Olímpia é um exemplar de uma espécie em extinção: um cinema grande, “de rua”, no centro da cidade. Mesmo programando apenas blockbusters, dificilmente consegue sessões cheias.

Pra quem se educou vendo filmes em salas multiplex, é difícil entender a mística dos grandes e antigos cinemas de rua.

Quem prefere multiplexes quer conforto e excelência de projeção, mas os modernos complexos lembram uma linha de montagem. Muitos vão ao cinema hoje dentro de um programa mais amplo: ir ao shopping, passear e escolher o filme de acordo com o horário das sessões. Eu sei que isso é um puta papo saudosista, mas as salas atuais não têm personalidade, são apenas um espaço utilitário e nada mais. Fazer o quê? Eu cresci aprendendo a sentir uma emoção especial apenas de entrar no cinema, lembrar dos filmes que vi lá, sentir a ressonância afetiva de suas paredes.

O Severiano Ribeiro vendeu há quase dez anos para a Igreja Universal outra grande sala de sua propriedade, o Cinema Palácio, ainda maior que o Olímpia, e que possui um grande mezanino com centenas de lugares. Às vezes, zapeando nas madrugadas, vejo um programa local da igreja e sinto um aperto no coração. A iluminação interna é hoje bem forte, e eu fico pensando em quantas emoções vivi naquele mesmo lugar, no escurinho…

Eu sou de um tempo em que o ingresso de cinema custava menos de um dólar, e qualquer filme lotava nos domingos. A gente até torcia para o Palácio lotar, porque aí eles abriam o mezanino e podíamos ver o filme de um local privilegiado.

Já tivemos no Olímpia sessões lotadas de Saló, filme-provocação de Pier Paolo Pasolini baseado em um dos mais impactantes livros do Marquês de Sade — e onde metade da platéia saía de fininho com as primeiras cenas de estupros, torturas e coprofagia. Na única vez em que o Festival de Gramado foi ampliado para salas de todo o país, a exibição de filmes como Faca de Dois Gumes e Doida Demais foi um sucesso absoluto.

O Olímpia não é histórico apenas por ser o mais antigo. Inaugurado em 1912 com o nome de Olympia, foi o primeiro cinema de luxo em Belém. As premiéres eram freqüentadas por senhores de terno e gravata e senhoras vestindo longos. A decoração tinha os mais finos mármores e os mais delicados lustres de cristal — que eu saiba, o único cinema no Brasil que ainda mantém intactas essas características é o São Luiz, em Fortaleza. As fotos que ilustram esse post dão uma idéia do clima da época. Em torno dele formaram-se as primeiras comunidades de cinéfilos, e havia até um Jornal Olympia, dedicado a notícias e críticas de cinema.

Na minha infância ele ainda tinha uma decoração elegante, mas as sucessivas reformas o descaracterizaram completamente. Ainda assim, o prédio é tombado pelo patrimônio histórico.

No fundo, todos nós que acompanhamos as mudanças do mercado cinematográfico, sabemos que cinemas como esse estão fadados à extinção, mas é sempre um choque uma notícia dessas. Tanto que a comunidade está tentando se mobilizar para salvar o Olímpia — como já foi feito nos anos 50, quando movimentos de estudantes fizeram até piquetes exigindo reformas no prédio, que estava deteriorado.

A empresa proprietária já avisou que não pretende demoli-lo (até porque não pode) ou vendê-lo a uma igreja. Verdade seja dita: foi a insistência do exibidor em preservar um monumento histórico que manteve o cinema funcionando muitos anos mesmo sem retorno financeiro. Agora eles procuram parcerias para transformá-lo num centro cultural — algo que foi feito com sucesso no já citado São Luiz, em Fortaleza, dos mesmos donos. De qualquer forma, o futuro é bastante incerto, e é bem possível que a sessão de quinta feira à noite seja mesmo a última.

Aconteça o que acontecer, eu estarei lá pra me despedir. Mesmo que seja pra chorar sobre o leite derramado.

Como disse o Vampiro Lestat no segundo e fantástico volume das crônicas vampirescas de Anne Rice: o mundo está cada vez mais parecido com um panteão de estátuas quebradas.

Anúncios

Sobre Marcus Pessoa

Alguém em busca de mais vida offline.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para O fim do Olímpia

  1. Pingback: Cine Paissandu « na periferia da cinelândia

  2. Ubiracy de Souza Braga disse:

    É lamentável que empresários e homens públicos não percebam a importância histórica e cultural do quase centenário cinema Olímpia (Belém). A reversão do processo pode ser associado por uma série de fatores extra-econômicos que dariam suporte e vida para a manutenção da 7a Arte, em exiblição na sala tais como: a) matinê para a juventude de escolas públicas municipais; b) a metade do valor do ingresso para jovens e idosos; c) incentivo para apresentação de curtas e longa-metragem do cinema nacional apoiado pela Embrafilme e finalmente, que deveria haver em contínua exposição no hall do cinema a própria história da grande invenção de Lumiére.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s