A Rainha

A Rainha

Sabe aqueles filmes de cavalaria, que penetram na intimidade dos reis, rainhas e nobres, para mostrar o lado humano dos personagens históricos? A Rainha, de Stephen Frears, é um deles, com a diferença que os personagens ainda estão bem vivos e continuam até hoje nos mesmos cargos.

O filme estréia no Brasil em 9 de fevereiro, já deu o Globo de Ouro a Helen Mirren e deve colecionar na semana que vem várias indicações ao Oscar.

O núcleo da história são os sete dias entre a morte e os funerais da princesa Diana, e a relação atribulada entre a rainha Elizabeth I e o recém-eleito primeiro-ministro trabalhista Tony Blair.

Como se sabe, Elizabeth odiava Diana e resistiu o quanto pôde a transformar sua morte numa questão de Estado, pois Diana não era mais a Princesa de Gales. A rainha recolheu-se à sua casa de campo e não deu qualquer satisfação ao povo que chorava e se despedia da mais popular integrante da realeza.

Nas mãos de um diretor qualquer, teríamos um filme medíocre, mas com Stephen Frears vemos um delicado estudo psicológico — com profusos momentos de comédia, proporcionados pelo choque cultural entre a conservadora família real e seus súditos plebeus (representados por Tony Blair, sua esposa e a equipe de governo).

O que é mais gratificante no favoritismo de Mirren ao Oscar de melhor atriz é que sua performance não é espetaculosa nem tem qualquer exagero. É um trabalho cheio de sutilezas em um papel de grande profundidade.

Apesar de trabalhar com uma história real envolvendo pessoas públicas, Frears construiu livremente os personagens, dando-lhes um aspecto tridimensional que seria impossível de captar apenas a partir de fatos conhecidos.

Assim, Tony Blair é ora um hábil estrategista político, ora um paspalho bajulador. Igualmente, Elizabeth I se mostra ora confusa sobre seu papel como chefe de Estado, ora tomada de uma cáustica lucidez.

Não há nem sinal daquela emoção apelativa tão comum em “filmes de Oscar”. É um trabalho sóbrio, mas que deixa o espectador com um sorriso bobo no rosto…

Anúncios

Sobre Marcus Pessoa

Alguém em busca de mais vida offline.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s